Níveis de desenvolvimento

       Enquanto alguns países atingiram alto nível tecnológico e científico, muitos estão fragilizados e economicamente dependentes de capital e investimentos externos.

       Nos  países que apresentam bons níveis de desenvolvimento, a maior parte da população desfruta de boas condições de vida, enquanto nos países de baixo desenvolvimento econômico,  grande parcela da população possui dificuldades socioeconômicas.

       Essas desigualdades econômicas e sociais originaram em uma regionalização ou  uma divisão do mundo: países desenvolvidos  ou ricos e mais industrializados e  a  dos países subdesenvolvidos.

      Nesta regionalização  prevalecem  os aspectos humanos,  sociais e  econômicos  (qualidade  de vida,  relações  econômicas,  desenvolvimento tecnológico e  científico). As condições de vida, como distribuição de renda,  disponibilidade  alimentar, analfabetismo,  escolarização,  mortalidade

infantil, esperança de vida,  são outros indicadores.

       Todos os países colonizadores  pertecem ao grupo dos países desenvolvidos. E aqueles que foram colônias de povoamento, mantiveram as

estruturas econômicas e sociais de desenvolvimento,  como nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

 

       Esses países apresentam os seguintes dados:

  • acesso à saúde e ao lazer;
  • alta produtividade agrícola, com grande uso de mecanização;
  • baixa taxa de mortalidade infantil;
  • baixo índice de crescimento populacional;
  • baixos índices de analfabetismo;
  • boas condições de alimentação e saneamento  básico
  • bom padrão de vida;
  • desenvolvimento da tecnologia;
  • elevada expectativa de  vida;
  • PIB (Produto Interno Bruto) elevado;
  • predomínio da atividade industrial e maioria da população concentrada na zona urbana;
  • renda per capita elevada.

 

       Os países que passaram pela colonização de exploração, como o Brasil, principalmente por parte dos países ibéricos (Espanha e Portugal),

tornaram-se países subdesenvolvidos. E é onde encontramos grande parte da população mundial

       Esses países apresentam os  dados socioeconômicos:

  • PIB reduzido;
  • maiores índices de mortalidade infantil;
  • menor expectativa de vida;
  • menores taxas de escolaridade;
  • menor uso da mecanização;
  • minorias privilegiadas que concentram a renda.

                                Sertão nordestino, Brasil.

 

                                                  Situação de flagelo. Mulheres na fila para receber alimentação, Namíbia, foto em 2011.

   

       Contrastes  sociais e econômicos marcantes e que se refletem nas paisagens dos países:

 

Favela na cidade  do Rio de Janeiro, Brasil, janeiro de 2012.

 

         Nem todos os países desenvolvidos apresentam o mesmo nível de desenvolvimento, o mesmo acontece com os subdesenvolvidos.

         A África do Sul, o Brasil, a Índia, a China, o México e  alguns outros países já  vêm sendo chamados de "países em desenvolvimento" , ou

de "economias emergentes".  Mas  a tendência da economia mundial é de que os países ricos se distanciem mais ainda dos países mais pobres.

 

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)

 

       Em 1990 foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas), o IDH tem sido uma forma muito utilizada atualmente para medir a qualidade de vida  nos países.

       Para determinar o IDH, são utilizados indicadores de dimensões básicas: educação (grau de escolaridade), saúde (expectativa de vida)  e economia (renda per capita). E  uma nota é dada, cuja escala varia de 0 a 1, e os países são classificados em elevado, médio e baixo IDH:

  • desenvolvimento humano baixo (inferior a 0,5);
  • desenvolvimento humano médio (0,5 - 0,799);
  • desenvolvimento humano elevado (0,8 ou +).


       O relatório do Desenvolvimento Humano 2011, divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (Pnud), classifica o

Brasil na 84ª posição  entre 187 países no IDH 2011, melhorando  1 posição.

       O IDH do Brasil em 2011 é de 0,718.

       Os cinco primeiros colocados são: Noruega, Austrália, Holanda, Estados Unidos e Nova Zelândia. Os  cinco últimos são países africanos,sendo o pior IDH (0,286) para a  República Democrática do Congo.

Fonte: site: www.g1.globo.com.br/Jornal Nacional, fevereiro de 2012.

 

Noruega.