Globalização

Globalização

Globalização: tendência à integração mundial dos mercados nacionais de bens e capitais.

 

       A globalização é um fenômeno do mundo atual. Caracteriza-se por um conjunto de mudanças no processo de produção de riquezas, nas relações de trabalho, no papel do Estado, nas formas de dominação sociocultural. E se iniciou com a revolução tecnológica dos meios de informações e de    comuni-

cações, sobretudo a partir dos anos 1970/1980.

       No mercado mundial, há uma disputa econômica, cada vez maior, entre países e empresas.

       Os hábitos de consumo e o  modo de vida  dos países desenvolvidos alterou, com suas  marcas mundialmente conhecidas, redes de fast food, supermercados etc.

       As empresas multinacionais ampliaram seus mercados, vendem produtos em praticamente todos os países, aumentaram o número de filiais em to-

do o globo e compraram muitas empresas em vários países, principalmente nos subdesenvolvidos.

       O destino dos lucros transferidos pelas filiais, as grandes decisões sobre investimentos e corte de custos e os centros de pesquisas para o  desen-

volvimento de tecnologia, permanecem concentrados nas sedes dessas empresas, situadas nos países desenvolvidos.

       Os países escolhidos para os investimentos das multinacionais são aqueles que oferecem maiores vantagens: baixo custo para a instalação das em-

presas e incentivos fiscais (isenção ou redução de impostos), mão-de-obra barata e qualificada, matéria-prima abundante, energia barata e mercado   con-

midor.

       Os fluxos de capitais e mercadorias entre os países decorre, principalmente, dos investimentos estrangeiros, das remessas  de  lucros de  empresas

multinacionais, dos pagamentos de juros de dívidas externas, dos empréstimos e das remessas de rendimentos de trabalhadores que estão fora do país.

       Os investimentos estrangeiros são formados por investimentos financeiros ( aplicados na compra de títulos públicos,  de  ações de empresas  ou  de

moedas) e por investimentos na atividade produtiva (compra e instalação ou ampliação de empresas).

       O mercado de trabalho formal exige um curso universitário, domínio da língua inglesa  (língua  considerada universal) e noções de informática (a habilitação para operar alguns programas de computador e, muitas vezes, compreender o funcionamento de sistemas operacionais informatizados nas empresas) , já que as informações ocorrem através do acesso aos computadores, por meio da Internet ou por outros meios de sistemas operacionais que   interligam computadores nas empresas, enviam e recebem informações.

       O fluxo de informações teve aumento significativo, principalmente a partir dos anos 1980. A base tecnológica ou estrutural que vem possibilitando essa ampliação  nos fluxos  de informação é o avanço das 'telecomunicações' - produção e utilização  de satélites artificiais, centrais telefônicas, cabos de fibra óptica e telefones celulares etc.- e na própria 'informática', tanto em  hardware como em software,    possibilitou através da Internet e do acesso

a dados por meio de terminais de computadores, maior volume e maior rapidez na transmissão de dados, voz, imagem e texto em nível mundial.

       Fazem parte da 'Terceira Revolução Industrial  ou Revolução tecnocientífica' os avanços das telecomunicações, da informática, da robótica, da biotec-

nologia e dos meios de transportes, estando a ciência ligada à atividade industrial e às outras atividades econômicas: agricultura, comércio,  pecuária   e serviços. O desenvolvimento científico e tecnológico possibilita a elaboração de novo  produtos e o  aperfeiçoamento de  outros  produtos,  reduz   custos

gerando maior competitibilidade.

 

       O  espaço geográfico passou a apresentar uma grande quantidade de técnica, ciência e informação, com a proliferação de caixas eletrônicos, telefo- nes celulares, computadores (inclusive notebooks e palmtops), cabos de fibra óptica, câmeras de vídeo,  mercadorias  com  código  de  barra  e sensores

antifurto, centros  de pesquisas universitárias e empresariais,sistemas de produção robotizados etc.


       Têm crescido os fluxos de pessoas em nível mundial, já que há a intensificação do turismo   internacional, inclusive de negócios, e dos movimentos

migratórios que partem principalmente dos países subdesenvolvidos para os países desenvolvidos.

 

A INTERNET

       Já no início do século XXI, aproximadamente 400 milhões de usuários estão acessados à Internet no mundo.

       A Internet é um dos grandes símbolos da globalização , mas a conexão à nivel mundial é  extremamente desigual, ocorrendo a exclusão digital. Me- nos de 1% dos usuários da rede estão na África.

       A Internet e a telemática vêm revolucionando as formas de se armazenar e disseminar informação,  além de gerar  efeitos significativos  em  diversos

setores de atividade econômica, como: caixas eletrônicos e terminais de auto-atendimento bancários distribuídos nos mais variados lugares; cirurgia intercontinental com a ajuda de robôs; controle dos espaços aéreo e terrestre: desmatamento, queimadas, mapeamento de recursos minerais e de cons-

trução de imóveis; comércio online; conexão via telefone móvel; cotação  de ações nas bolsas de valores são acompanhadas à nível mundo; ensino a distância; teleconferências; tráfico de drogas etc.

       O espaço geográfico apresenta nova organização através de redes. Grande número de serviços são prestados em qualqiuer parte do mundo, bastando que estejam conectados.

       O processo de globalização e a introdução das tecnologias de informação criaram e vêm criando novos ambientes, novas relações de  trabalho, novos

hábitos de consumo e promoveram uma revolução na maneira de fazer negócios e no modo de vida da sociedade atual, formando as empresas ponto.com,

que exploram a área de tecnologia de telecomunicações, informática e Internet. Destaca-se as  empresas  produtoras de softwares  e de  hardwares;  dos provedores de Internet; das empresas de e-commerce, das empresas de telecomunicações e das prestadoras de serviços que utilizam as  tecnologias  de

informação.

       As situações decorrentes da nova economia tiveram forte implicação no espaço geográfico, tornando-se, em muitos casos, espaço virtual, nas   rela-

ções econômicas, nos contratos e em uma série de atividades humanas.

       Além de  ter reduzido muito o número de postos de trabalho nas indústrias, em virtude da automação e da robotização, o desenvolvimento tecnológico gerou  uma  gama  de  profissões ligadas ao processamento de informações (telecomunicações e informática), de mercadorias (transporte e comércio),  no turismo, nos serviços de telecomunicações e nos negócios realizados por meio da Internet.

 

O ESTADO


       As atribuições do Estado inicialmente baseavam-se na defesa do território, no bem-estar das pessoas,  na garantia da propriedade e no relacionamen-

to político e comercial com outros Estados.

       Na década de 1980 abriu-se uma nova discussão sobre o papel do Estado, por causa das crises econômico-financeiras  em  vários  países subdesen-

volvidos e dos elevados déficits públicos de muitos países. Surgiam as idéias 'neoliberais' em que o Estado deve intervir  pouco  na  economia,  procurando eliminar as barreiras no comércio internacional, atrair investimentos estrangeiros e privatizar as empresas públicas, estimular a pesquisa  tecnológica  para apoiar a iniciativa privada, assegurar a estabilidade econômica e facilitar o livre funcionamento do mercado etc.

       No comércio internacional, as operações de compra (importação) e venda (exportação) dependem da autorização e  controle  de  cada Estado.Os  ex-

portadores e importadores pagam taxas (impostos), que são as taxas alfandegárias ou  aduaneiras.

       A OMC (Organização Mundial do Comércio) define normas rígidas para o comércio mundial de mercadorias, mas prevalecem os interesses  das  gran-

des potências mundiais.

       O processo de globalização intensificou as disputas, como: alianças e fusões entre empresas, dumping, espionagem industrial, suborno.

       No âmbito dos países  tem ocorido a busca de alianças, para fortalecer posições na economia mundial (formando blocos  de  interesse econômico co-

mum),ou para intensificar as relações comerciais entre os aliados.

       O objetivo nas modalidades de blocos econômicos é a eliminação das tarifas ou impostos de importação entre os países-membros. Esses  blocos re-

presentam zona de livre comércio, mercado comum ou união econômica e monetária, que têm como princípio comum ampliar as relações comerciais entre

seus parceiros.

 

O BRASIL E A GLOBALIZAÇÃO

       Foi a partir de 1990 que a globalização teve maior impacto no Brasil, momentoem que a economia brasileira enfrentava uma série de problemas; endi- vidamento  externo crescente; grande atraso tecnológico em relação  aos países desenvolvidos; déficit público elevado; escassez de financiamento  para a

atividade produtiva e para ampliação da infra-estrutura; inflação com índices assustadores (no final da década de 80, com inflação de até 80% ao mês).

       As receitas neoliberais foram adotadas pelo Brasil no início de 1990,  como objetivo de atrair o capital estrangeiro para retomar o  crescimento  econô-

mico.

      Se faz necessário mencionar que o subdesenvolvimento não é fruto da globalização, mas resultado de graves problemas sociais e grande desigualdade no interior da sociedade e pela capacidade limitada de desenvolvimento tecnológico, entre outros fatores.