Área rural

       *Brasil

        A agropecuária no Brasil apresenta duas faces diferentes:

  • Agronegócio (agribusiness): elevada produtividade com modernidade, em que coloca entre as mais competitivas do mundo, apesar das barreiras encontradas pelos produtos agrícolas brasileiros nos principais mercados internacionais.

  • Miséria rural: trabalhadores rurais em estado de miséria, que perdem  seus empregos e suas terras e tornam-se incapazes de prover a própria subsistência.

       Veja o quadro abaixo:

Agribusiness

Fornecedores de insumos e                   Produção                                Processamento                        Distribuição

bens de produção                                  agropecuária                          e transformação                       e consumo

 

Sementes                                                Produção animal                      Alimentos                                   Restaurantes

Calcário                                                   Lavouras permanentes              Têxteis                                       Hotéis

Fertilizantes                                             Lavouras temporárias                Vestuário                                    Bares

Rações                                                    Horticultura                              Madeira                                      Padarias

Defensivos  vegetais                                 Silvicultura                                Bebidas                                      Fast-food

Produtos veterinários                                Extração vegetal                        Álcool                                        Self-service

Tratores                                                   Indústria rural                            Papel                                         Supermercados

Colheitadeiras                                                                                          Fumo                                         Comércio atacadista

Implementos                                                                                            Óleos, essências                        Exportação

Equipamentos

Máquinas

Motores 

                          

 *Brasil: produção agrícola

       A safra brasileira de grãos e as exportações de carne bovina, suína e de frango têm registrado sucessivos recordes nas três últimas décadas. Mas ressalta-se que de acordo com estimativas econômicas, a safra de grãos diminuirá nas últimas décadas, como  divulgação abaixo:

 

Seca na região Sul  provocará queda de 3,5% na safra de grãos de 2011/2012.

Fonte: www.otempo

Divulgação em fevereiro de 2012.

         Os produtos agrícolas em destaque são: soja, laranja, cana-de-açúcar, café, algodão e arroz.

Região                                                                  Produto

Centro-oeste                                                Grãos, cana-de-açúcar

Norte                                                           Grãos, mandioca

Nordeste                                                      Grãos, cana-de-açúcar

Sudeste                                                       Grãos, café, batata, laranja, cana-de-açúcar

Sul                                                              Grãos, maçã, uva

                                                                                                                                                                                                                                          O Brasil tem um dos maiores rebanhos  bovinos do mundo e medidas são tomadas, a fim de melhorar a qualidade do gado  e erradicar doenças para o produto permanecer no mercado internacional.

 

 

Rebanho bovino

Centro-oeste: 69,88                 Norte: 33,93              Nordeste: 24,99              Sudeste: 38,71               Sul: 28,03

 

*Questão agrária

África

       A ocupação da África no século XIX, durante a expansão imperialista européia, provocou a substituição das culturas de subsistência, nas  regiões com solos mais férteis, pela monoculturas de exportação, que  permanecem até os dias atuais.

       A concentração  fundiária  impossibilitou os cultivos de  subsistência de populações numerosas, provocando problemas sociais agudos e

fome.

          A subalimentação atinge as comunidades que habitam o Sahel (região do sul do deserto do Saara). Ajuda humanitária internacional realiza a distribuição de alimentos, em que  através  das doações evita-se uma mortandade maior e ameniza-se o sofrimento.                                    No  âmbito  social, pouco  tem  sido  feito  pelo  governo, a  fim  de  oferecer  condições  de  garantir  a  própria  sobrevivência  das comunidades em extrema miséria.

          Com a prática da agricultura de subsistência (itinerante, com a utilização de queimadas), as frequentes secas  e a  desertificação aumentaram o drama  da população, gerando a migração em busca de pastagem ou água. 

       O  modelo agrícola de exportação ainda é prioritário nas políticas agrícolas  nas outras regiões africanas, nos países latino america-

nos e do sul da Ásia. O passado colonial persiste nesses países.

       Com a Revolução Verde, os países   subdesenvolvidos ficaram  limitados a alguns  setores ligados  à agricultura e à pecuária comercial de exportação. Apenas no sudeste da Ásia, as  novas  tecnologias  introduzidas foram  satisfatórias  na produção de  arroz, alimento  essencial  da região.

  Produção de muitos países subdesenvolvidos: algodão, amendoim, cacau, café, chá, borracha naturalfrutas tropicais etc.

  Produtos importados:   cereais.              

América Latina

       A colonização da América Latina foi baseada na exploração mineral e na produção agrícola de produtos tropicais à exportação, em  latifúndios monocultores e com  trabalho escravo.

       O sistema agrícola plantation foi mantido pela oligarquia rural escravocrata após a independência latino-americana, no século XIX.

       A produção agropecuária ainda é concentrada  nos latifúndios  e com  produtos tropicais à exportação.

       No Brasil, a maioria dos pobres ou flagelados se encontra nas cidades. Já nos países  andinos (Colômbia, Peru etc.),  da América Central (Guatemala, Honduras, Nicarágua etc.),  do México e do Paraguai, a maioria da população está concentrada nas áreas rurais, em situação de extrema miséria: sem terras, sem trabalho. A  ocupação ocorre  nas colheitas sazonais, através de contratos.

       Com os latifúndios comerciais dotados de alta mecanização, ocorrem movimentos contra a exclusão social e pela  reforma agrária.

Ásia oriental e sudeste

       A agricultura de jardinagem é praticada no sul,  sudeste  e  leste da  Ásia,  adotando técnicas mais aprimoradas que o sistema de roça e queimadas, com mão-de-obra numerosa, voltado para cuidados especiais à plantação, uso intenso de adubo e  desenvolvido  em  pequenas propriedades.

       O principal   produto cultivado é  o arroz, que é a  base alimentar da população,  mas com exceção da Malásia e  da  Indonésia, onde  a monocultura de exportação prevalece  na economia agrícola. Nas encostas das montanhas e nos morros, o cultivo em terraços ou degraus permite melhor aproveitamento da água (que se acumula durante os meses de chuva,) e protege o solo contra a erosão.

       A China é um dos maiores exportadores e importadores de produtos agrícolas do mundo e para atingir o  desenvolvimento econômico,

passou a priorizar a biotecnologia,  com a produção de vegetais transgênicos (geneticamente modificados - GM):

-algodão:  produto resistente a pragas;

-arroz: produto resistente a infecções bacterianas, a insetos e herbicidas;

-milho:  produto com maior teor de lisina, para alimentação do gado e

-tomate: maior durabilidade.

*Estrutura fundiária

       A concentração fundiária é herança colonial, ainda praticada nos países subdesenvolvidos, já que produtos tropicais  como  o  algodão,   cacau, o café, a cana, a soja etc. não se adaptam à pequena propriedade e essas culturas necessitam de  clima, relevo  e solo adequados e 

grandes propriedades.

 

A Revolução  Verde

     Compreende a modernidade, através  da  tecnologia  dos  adubos químicos, herbicidas, máquinas, pesticidas  e  outros  implementos agrícolas. Não dá incentivos à  agricultura voltada para o mercado  interno, que  não  está  comprometida  em  gerar  divisas  no  Comércio Exterior. O resultado é que  aumentou a concentração fundiária (de terras),  excluiu ainda mais os pequenos proprietários, marginalizando-os.

       Nos países subdesenvolvidos são urgentes as  reformas  na estrutura  de  produção  agrícola  e  de  redistribuição da propriedade rural (reforma agrária).

       O primeiro país  a realizar reforma agrária  na América  Latina  foi  o México em 1934, mas, atualmente, não atende às necessidades da população  rural. As terras assentadas tiveram tamanhos limitados, os camponeses  não conseguem a subsistência, por falta de assistência do governo.  Os camponeses pobres venderam suas terras e se tornaram sem-terra. A situação desencadeou  no sul do país, em Chiapas,  guerrilha.

        Na Bolívia a reforma agrária ocorrida na década de 1950, não ofereceu apoio aos assentados, gerou a venda das terras pelos campo-

neses mais pobres e, respectivamente, a  concentração de terras.

       No Brasil, a situação fundiária é uma questão pendente.

       A elevada concentração  de terras é resultante de ocupação ilegal, grilagem, conflitos violentos, óbitos de defensores da terra e leis que regulamentam a posso e  a propriedade da terra.

       A  grilagem (criação de documentos falsos, para concessão de terras públicas a particulares, como apoio de cartórios e órgãos públicos)

praticada desde o século XIX, foi um dos principais responsáveis pela concentração de terras no meio rural.

       A  luta pela terra acentuou-se no século XIX,por causa das idéias liberais européias e dos ideais socialistas, que influenciaramvários movimentos populares no mundo. No Brasil, essa luta envolveu índios, posseiros, grileiros, pequenos proprietários, grandes fazendeiros e empresas  dos mais variados  ramos de negócio.

       Dois movimentos de trabalhadores rurais surgiram no século XX:

  • as Ligas Camponesas: formadas nas décadas de 1950 e 1960 em Pernambuco e  se espalharam nos estados da região Nordeste. Foi um movimento contra a exploração do trabalhador e pela reforma agrária, mas foi desfeito em 1964 pela ditadura militar, através da violência, prisões e mortes, e
  • o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra): fundado em 1984, após o fim da ditadura militar. Com o objetivo principal do assentamento e, depois o apoio, através de reivindicações por créditos  agrícolas,  assistência  técnica e  pela  criação  de  infra-estrutura.

       O MST é atualmente o principal movimento  social no país, contando como participantes  desempregados do campo e da cidade, como: os ex-bóias-frias, ex-operários, ex-trabalhadores da construção civil, ex-empregados de fazendas etc.

       O movimento mantém apoio às famílias, com a criação de escolas, formação de cooperativas de produção, serviços e comercialização.

 

 

"Coordenador do MST diz que uso de agrotóxicos em lavoura brasileira segue lógica do lucro".

www.otempo.com

Data: 15/03/2012.

 

 

"Economia Verde não é  solução para crise ambiental. ONGs defendem ações".

www.otempo.com

Data: 12/03/2012

   

*Reforma Agrária

       A reforma agrária consiste na adoção de medidas  para melhorar a distribuição da terra, promovendo a justiça social, criando condições de melhoria de vida do trabalhador rural,  sua subsistência, elevando a produção e a produtividade agropastoris. A redistribuição das terras é apenas  parte  do  processo. O  apoio  técnico,  administrativo,  infra-estrutura, sistema  de  armazenamento  e  transporte,  garantia  de  pre-  ços mínimos, crédito  ao  pequeno agricultor com juros mais baixos, orientação para a criação de cooperativas e de  pequenas agroindústrias são, entre outras, medidas que devem ser tomadas.

       Enfim,  a reforma agrária deve ocupar a mão-de-obra nos países subdesenvolvidos, principalmente naqueles com expressivo número populacional no setor primário, gerar emprego  e  renda, e  por  último, reter  a  população rural, a fim  de  diminuir  o  êxodo rural  e  suas consequências sociais nas cidades, como ociosidade, população sem-teto, desemprego, demanda por transporte, assistência médica e social, violência, mendicância, entre outros.O êxodo rural aumenta significativamente  as despesas governamentais nas cidades.

       Conflitos, convulsões sociais e  concentração de terras geram relações de trabalho no meio rural, nos países subdesenvolvidos:

  • arrendamento: representa o aluguel no uso da terra;
  • parceria: representa o pagamento em espécie pelo uso da terra em cotas estipuladas entre o parceiro e o proprietário.